«

»

Nov 26

Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres – 25 de novembro

Mensagem de Audrey Azoulay, Diretora-Geral da UNESCO, por ocasião do Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres

25 de novembro de 2019

A Declaração sobre a Eliminação da Violência Contra as Mulheres define a violência contra as mulheres como “todo e qualquer ato de violência baseado no género que cause, ou seja suscetível de causar, dano ou sofrimento físico, sexual ou psicológico para a mulher”, abrangendo assim um perturbador conjunto de atos, nomeadamente os maus-tratos  físicos, a violação, as insinuações de natureza sexual indesejadas, os abusos sexuais, o casamento forçado, a escravatura, a exploração sexual e a mutilação genital feminina. Esta violência é, com frequência, simplesmente medida pelo número de feminicídios – ou seja o número de mulheres mortas pelos seus parceiros ou por familiares. Atualmente, estima-se em 137 o número de mulheres que morrem desta maneira todos os dias.

Contudo, esta estatística ignora as formas menos visíveis e mais insidiosas de violência contra as mulheres. As jornalistas, por exemplo, são frequentemente alvo de discursos de ódio sexistas, incluindo ameaças de violação e morte. De acordo com um estudo levado a cabo pela Federação Internacional de Jornalistas, 64% das jornalistas já foram objeto de abuso online. Na política, as mulheres enfrentam a discriminação e o assédio, o que limita a sua habilidade para participar plenamente na vida política. O recente assassinato de mulheres políticas são uma demonstração clara deste problema. As professoras são frequentemente vítimas de difamação, insultos e ameaças – tanto por parte dos alunos como dos seus pais.

Perante esta violência, não estamos desarmados. Podemos, por exemplo, usar a inteligência artificial, livre dos seus preconceitos sexistas, para fazer com que as mulheres sejam capazes de se expressar livremente e com toda a segurança. Estas ferramentas podem identificar os casos de cyberbullying, de discriminação online e de discursos de ódio, reportando-os automaticamente aos moderadores e orientando as vítimas para um apoio apropriado. Um grupo de cinco jovens quenianas, autodenominadas- “The Restorers”, criaram uma aplicação para ajudar mais de 200 milhões de raparigas e mulheres que foram sujeitas a mutilação genital ou a excisão. Temos que aproveitar o poder desta tecnologia e colocá-la ao serviço da igualdade de género.

A sociedade não poderá prosperar se a metade da população viver com medo de ser agredida. Por este motivo, a UNESCO celebra, a 25 de novembro, o Dia Internacional para a Eliminação da Violência contra as Mulheres, seguido dos 16 Dias de Ação contra a Violência de Género. Este ano, a UNESCO leva a cabo uma campanha nos media sociais para apresentar histórias de mulheres de todo o mundo. Partilhem as vossas fotografias e os vossos vídeos utilizando os hashtags #25Nov e #IDEVAW para nos ajudarem a dizer não à violência contra as mulheres.

Mais informações aqui

Ver publicação “Informar sobre as violências contra as raparigas e as mulheres: manual para jornalistas” aqui